Documento sem título
 
Buscar notícia:
 Colunas
- Página Principal  
- Charge do Dia  
- To de Olho  
- Classificados  
- Espaço Aberto  
- Informática  
- Papel de Parede  
- Piada do Dia  
- Parabólica  
- Bancos  
 Links
- Busca  
- Esportes  
- Email Gratuito  
- Horóscopo  
- Notícias  
- Facebook  
- Portais  
- Sites Uteis  
- Wikipédia  
- You tube  
 Serviços
- Boletim Pecuário  
- Configura Email  
- Downloads  
- Fale Conosco  
- Meu IP  
Tempo
Webmail
Destaque Social
 
- 30/05/2016
O poder da fé! - Por Ari Sandim
Desde os primórdios da civilização o papel das religiões nas instâncias de poder tem sido uma constante, influenciando decisivamente a condução dos povos de forma silenciosa em alguns casos, em outros de forma ruidosa.

No Brasil desde seu descobrimento a religião tem construído sua legitimidade através da participação nos processos históricos, principalmente o catolicismo por intermédio da igreja católica que na década de 1960, sob forte influência do Concilio Vaticano II, e fortalecimento da Confederação dos Bispos Brasileiros (CNBB) como instrumento de interação com a sociedade civil e movimentos sociais, desempenhou um papel de grande relevância para abertura do regime de exceção, com atuação destacada das Comunidades Eclesiais de Base (CEB’s) como alicerce para aquele momento.

Atualmente a igreja católica continua desempenhando um grande papel na política brasileira, onde sua luta incansável de construir uma sociedade mais humana e fraterna serve de ideais para vários agentes políticos que comungam desse ideário.
Outra corrente religiosa que tem crescido e se fortalecido muito, são os pentecostais que desde sua participação efetiva e de destaque nas eleições de 1986, quando essa eleição buscou elaborar a nova constituição da república, concluída em 1988, nascendo assim a “Constituição cidadã”, percebe-se uma maior participação de todos os segmentos evangélicos na política brasileira.

O crescimento do número de fiéis evangélicos de 61% em relação ao início deste século, de acordo com dados do IBGE de 2010, cresceu também a representatividade na última legislatura em aproximadamente 30% segundo informação da Frente Parlamentar Evangélica (FPE) que agrega mais de noventa parlamentares.

Assim sendo, a bancada evangélica vem ganhando importância estratégica em qualquer processo eleitoral no país, também face sua organização, foco e composição entre as várias correntes existentes para alcançar o poder da fé e manutenção da família tradicional como alicerce social. Tendo isso em mente e o fato da Igreja Católica não se envolver mais diretamente nas eleições partidárias por motivos históricos, este segmento crescente faz toda a diferença no momento da escolha dos representantes na execução, elaboração e fiscalização da coisa pública.

Ari Sandim
Administrador e Consultor político


Fonte: Ari Sandim

Webmail
Publicidade
Enquete


© Todos os Direitos Reservados - ECONET - 2002 - 2007